slide
Read More

Vamos fazer de conta que isso nunca aconteceu…

Resenha
slide
Read More

A Morte do Capitão América

– Resenha Literária
slide
Read More

Mês das Crianças no Escape Hotel

slide
Read More

Festival da Batata e do Milkshake

slide
Read More

Primer Pore Minimizing Smashbox

slide
Read More

Maionese #TodeCacho

Resenha

RoboCop – Resenha de Casal da trilogia e remake

robocop

Antes de falar do remake de José Padilha não posso deixar de mencionar o RoboCop original e suas sequências.

RoboCop – O Policial do Futuro

21010843_2013060622065644.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Mesmo sendo de 1987, Paul Verhoeven conseguiu fazer uma obra prima, para mim RoboCop é atemporal. Ainda que os efeitos da época fossem limitados (porém ótimos e atualmente deixam o filme mais “charmoso”) o mais importante ai é a substância do filme, cheio de sátiras e humor negro, é um filme singular.

Ganhou o oscar de Melhores Efeitos Sonoros.

Se você não assistiu, assista com seu amor afinal filme bom é sempre recomendado para se assistir com a namorada, rs.

Sinopse:

Depois de ter sido mortalmente ferido em cerco a marginais, policial (Peter Weller) transformado num misto de máquina e homem a serviço da justiça. Quando tem que enfrentar uma gangue disposta a dominar a cidade, sob a custódia legal de poderoso executivo.

Trailer

 

RoboCop 2

20091547.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Essa sequência de 1990 dirigido por Irvin Kershner para mim não supera a primeira mas mantém os pontos positivos do primeiro, principalmente a crítica social. Os efeitos maneiros e toda aquela atmosfera singular continuam lá.

Curiosidade: No primeiro filme as telas de visão de tiro de Robocop possuem referências ao MS-DOS, em Robocop 2 a tela apresenta uma interface ao estilo Macintosh

Vale a pena também chamar a namorada pra assistir!

Sinopse:

Policial-andróide enfrenta gangue de traficantes de drogas. Ao mesmo tempo, o império corporativo que o criou está lançando um robô aperfeiçoado que torna necessária a eliminação de Robocop.

Trailer

 

RoboCop 3

19962520.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

RoboCop 3 sofre da maldição das trilogias. O filme  de 1994 dirigido por Fred Dekker na minha opinião é ruim.

O ator Peter Weller que fez o Murphy/Robocop nos anteriores não está no filme, o filme dessa vez é feito para o público infantil e tem cenas ridículas.

Esse eu recomendo pular e partir direto pro remake do Padilha, rs.

Sinopse:

A corporação OCP transformou Detroit num campo de batalha, abrindo caminho para a construção de uma nova e lucrativa metrópole, Delta City. Mas Robocop surge das cinzas para estragar os planos do conglometado.

Trailer

 

RoboCop Remake

robocop

Nesse remake lançado esse ano, a MGM decidiu que o brasileiro José Padilha era o cara certo pra encarar essa missão depois de verem Tropa de Elite e notarem semelhanças com o RoboCop.

Eu gostei do filme, me surpreendeu. Embora muitos não tenham gostado do visual de “plástico”, do fato dele estar “vivo” e ter a plena consciência de que é Alex Murphy e das tramas coadjuvantes, como a sua família que tem maior destaque, isso não me incomodou.

Achei que foi um filme honesto, estão lá as críticas sociais. Se trata de uma outra abordagem para Robocop, é um novo filme e muitos esquecem disso, o Padilha foi muito bem sucedido em atualiza-lo. Outro ponto bastante criticado foi a censura PG13, já que o Robocop original tinha uma censura alta por conta de sua violência explícita. Eu acho que o Padilha fez milagres e segundo ele mesmo disse: “A cena mais violenta do filme para mim é quando você vê o que sobrou de Alex Murphy. É sobre o cara confrontando a si mesmo e perguntando o que faz dele humano.  É violento em um sentido filosófico.”

Recomendadíssimo, depois de verem os filmes me digam se concordam comigo ou não!

Sinopse

Em um futuro não muito distante, no ano de 2028, drones não tripulados e robôs são usados para garantir a segurança mundo afora, mas o combate ao crime nos Estados Unidos não pode ser realizado por eles e a empresa OmniCorp, criadora das máquinas, quer reverter esse cenário. Uma das razões para a proibição seria uma lei apoiada pela maioria dos americanos. Querendo conquistar a população, o dono da companhia Raymond Sellars (Michael Keaton) decide criar um robô que tenha consciência humana e a oportunidade aparece quando o policial Alex Murphy (Joel Kinnaman) sofre um atentado, deixando-o entre a vida e a morte.

 Trailer

Pra fechar uma imagem bem maneira que achei por ai:

10349089_631071146967336_8464460648438056553_n

Até Segunda com mais um post sobre cinema e não deixe de curtir nosso facebookinstagram e twitter pra não perder nada!

Fonte: Omelete, Adoro Cinema e Pop

Comentários

comments

Videomaker, Técnico em informática, ex-Sacripanta, Vj da ex-mtv por 15 minutos e o mais importante, namorado da Vanessa, a parte do casal que presta nesse blog!