slide
Read More

Nossas Noites – Kent Haruf

slide
Read More

Linha Óleo de Coco – Novex

slide
Read More

3 coisas – pH, kH e gH (explicação SIMPLES)

slide
Read More

5 coisas que você precisa saber sobre o Beijador – Minha Fauna

Vidas em Jogo – Resenha de Casal

Fizemos a resenha de um filme pouco comentado do David Fincher (Clube da Luta), Vidas em Jogo.

19873239.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Já fizemos a Resenha dos ótimos Seven e Clube da Luta, que provam o talento de David Fincher. Agora chegou a hora de abordar o pouco falado porém bem comercial The Game (1997) – aqui com a péssima tradução Vidas em Jogo.

Para começar a opinar sobre esse filme é importante que você saiba do que se trata:

Em São Francisco Nicholas Van Orton (Michael Douglas), um banqueiro milionário no seu 48º aniversário (a idade do pai quando se suicidou), ganha de presente do seu irmão Conrad (Sean Penn) um cartão que lhe dá acesso a um divertimento incomum, organizado pela empresa Serviços de Recreação do Consumidor. Deste momento em diante Nicholas se vê envolvido em um perigoso “jogo”, que parece ter como objetivo matá-lo.

O roteiro é extremamente forçado – a marteladas – para que tudo se encaixe considerando que tudo vivido por Nicholas faz parte do jogo. Eles teriam que comprar a cidade inteira e calcular minimamente todos os detalhes, inclusive os pensamentos de Nicholas. Por isso disse que se trata de um filme extremamente comercial, que em sua maioria subestimam a inteligência do espectador.

É certo que o roteiro de  John D. Brancato e Michael Ferris não foi muito feliz, então serei justo aqui e dizer que o filme poderia ser uma bomba se não fosse o David Fincher. O cara – junto com montagem, fotografia, trilha sonora, etc – fez com que um filme que tinha tudo para ser ruim se tornasse envolvente, dando um ar de Hitchcock e lembrando também O vingador do Futuro. Merecem os créditos também Michael Douglas, Sean Penn e Deborah Kara Unger que mandaram muito e foram essenciais para o sucesso da narrativa.

Vamos falar do final, e não, não darei spoiler. Me limito a escrever as resenhas contando o mínimo. A ideia é dar dicas de filmes para assistirem e também debater com quem já assistiu.

Eu não gostei do fim, se não bastasse tudo que tivemos que engolir o filme todo, ainda temos uma reviravolta mais sem noção ainda! O filme certamente seria melhor avaliado por mim se o fim fosse menos feliz e mais dramático. Aliás, é tão forçado que você chega a esperar mais uma reviravolta, já que tudo é possível – tudo mesmo – e você não confia mais no que seus olhos estão vendo.

A Vanessa também apresentou a mesma indignação, inclusive nesse filme ela estava muito mais crítica que eu embora eu tenha reclamado muito da cena mais forçada do filme – envolve um taxi, rs – depois do fim. Certamente se você engole tudo que Hollywood te mostra e não se importa com o bom senso vai adorar.

Recomendo assistir em casal pra ficarem discutindo a falta de bom senso do filme, isso pode ser maneiro e engraçado as vezes, rs.

Sinopse

Em São Francisco Nicholas Van Orton (Michael Douglas), um banqueiro milionário no seu 48º aniversário (a idade do pai quando se suicidou), ganha de presente do seu irmão Conrad (Sean Penn) um cartão que lhe dá acesso a um divertimento incomum, organizado pela empresa Serviços de Recreação do Consumidor. Deste momento em diante Nicholas se vê envolvido em um perigoso “jogo”, que parece ter como objetivo matá-lo. Ele já não sabe em quem confiar, pois qualquer pessoa pode ser um assassino em potencial. Nicholas resolve então ir à polícia denunciar o ocorrido, mas quando chega na sede da empresa encontra apenas um andar vazio, sendo que a administradora do prédio nega que esta firma tenha tido no passado um escritório ali. Ele então toma consciência que tem de lutar sozinho para se manter vivo e evitar que as pessoas por trás disto concluam o plano de roubar todo o seu dinheiro.

Trailer

Curiosidade

Inicialmente seria a atriz Jodie Foster, e não Michael Douglas, quem estrelaria Vidas em Jogo. Entretanto, a atriz desistiu do projeto após saber que uma das empresas produtoras do filme era a PolyGram, com quem sua companhia, a Egg Pictures, possuía na época uma disputa judicial.

Até Segunda com mais um post sobre cinema e não deixe de curtir nosso facebookinstagram e twitter pra não perder nada!

Fonte: Cineplayers ,  Adoro Cinema, cinepipocacult e cinemaedebate

Comentários

comments

Videomaker, Técnico em informática, ex-Sacripanta, Vj da ex-mtv por 15 minutos e o mais importante, namorado da Vanessa, a parte do casal que presta nesse blog!